Vacinação previne retorno de doenças erradicadas

A vacinação é o principal caminho para a prevenção do retorno de doenças erradicadas que chegaram a provocar mortes. Esse é o caso da poliomielite (paralisia infantil), sarampo, difteria e a rubéola, enfermidades que chegaram a ser extintas do Brasil e voltaram a preocupar o Sistema Único de Saúde (SUS), tendo em vista a baixa procura da população às vacinas disponíveis gratuitamente no País.

Todas as doenças mencionadas podem levar à morte caso não sejam tratadas. Segundo o dicionário de A a Z do Ministério da Saúde (MS), a poliomielite, causada pelo poliovírus, é grave e causa danos sérios ao organismo, a exemplo da paralisia muscular, principalmente de crianças.

Já o Morbillivirus (MV) é o vírus que transmite o sarampo, responsável por sintomas como tosse forte ou seca, dores musculares, febre e erupções ou manchas vermelhas na pele, podendo atingir os pulmões, onde pode ocorrer infecção generalizada.

Sobre a difteria, o MS explica que é transmitida por bactéria que atinge as amígdalas, faringe, laringe, nariz e, ocasionalmente, outras partes do corpo, como pele e mucosas, que podem provocar dificuldade para respirar. Já rubéola é uma infecção viral contagiosa que geralmente causa sintomas leves, como dor nas articulações e uma erupção cutânea, mas pode causar graves deficiências congênitas se a mãe for infectada com rubéola durante a gravidez.

Cabe destacar que as vacinas contra essas doenças estão disponíveis para crianças e adolescentes de até 15 anos, gratuitamente, em todo o SUS.

Para o médico Alexandre Janotti, especialista em medicina tropical e atuante na Secretaria Municipal da Saúde de Palmas (Semus), o Brasil sempre foi grande exemplo de imunização mundo afora e que essa situação mudou com o advento das notícias falsas. “O povo brasileiro sempre aceitou bem a vacinação, mesmo com toda dificuldade que a gente tem de conhecimento básico. Apesar disso, nós temos um nível de cobertura até acima de países de primeiro mundo”, diz.

Ele acrescenta que é preciso reforçar a importância os benefícios das vacinas e o quanto são maléficas as informações falsas que vem sendo passadas, tais como os efeitos colaterais. “As notícias falsas desconsideram os benefícios que temos com a vacinação em massa para todas essas doenças. Se a gente não continuar vacinando vamos ter outras pandemias antigas como estamos vendo ocorrer”, completa o médico.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar